Páscoa: dia de festa, de chocolate e de moderação

Bebês com menos de 6 meses não devem comer chocolate, para o resto da família está liberado, desde que sem exageros.

publicidade

Crianças pequenas precisam de festas, não só as individuais, de aniversário, como também as coletivas - entre elas, a Páscoa. Pelo seu profundo significado, esta data merece uma verdadeira celebração à vida, a ocasião perfeita para as manifestações de carinho e afeto. E as crianças, por resumirem o espírito de renovação e alegria, não podem ser esquecidas.

Nos seis primeiros anos de vida, toda criança precisa de festas e de figuras mágicas que aumentem a sua confiança no futuro e assegurem que ela é bem vista por elas. Ganhar um presente da mamãe e do papai é, para ela, normal. Mas ser lembrada pelo Coelhinho da Páscoa, que não é da família, torna-se para ela, um acontecimento altamente estimulante, porque são pessoas "de fora" reconhecendo suas qualidades a ponto de premiá-las, o que é ótimo para a auto-imagem e para a auto-estima.

No entanto, para esta época é preciso também de cautela, pois o chocolate em excesso pode comprometer a saúde do seu pequeno.

Bebê com orelhinhas de coelha segurando ovos de páscoa - foto: Michelle D. Milliman/ShutterStock.com

Veja a seguir as orientações que preparamos para que você atravesse esta data com muita alegria e sem aborrecimentos:

Os especialistas sempre se dividem em opiniões quanto ao consumo do chocolate.

Alguns reafirmam o poder que o chocolate tem de tornar as pessoas obesas e outros priorizam o valor nutricional do chocolate, colocando-o como um alimento importante em nossa dieta.

Veja o que eles dizem:

Chocolate não causa obesidade

Alguns estudiosos acreditam que os produtos de chocolate não são os responsáveis pela obesidade ou diluição de nutrientes necessários. Segundo esta visão, estes produtos proporcionam uma parte dos nutrientes necessários em uma dieta. Afirmam ainda que numa barra de chocolate recheada há mais riboflavina e cálcio do que no pão integral, e mais ferro e magnésio que numa maçã.

Chocolate causa obesidade

Já alguns nutricionistas, afirmam que o excesso de calorias para quem não tem necessidade pode resultar em obesidade. Além disso, o chocolate, por seu alto teor de gordura, pode causar problemas cardiovasculares ou outras erupções em peles oleosas, além de alergias. Apesar disso, afirmam que os compostos estimulantes presentes no chocolate, tais como a cafeína e teobromina, não fazem mal à saúde.

Use o bom senso

No entanto, o melhor para a mãe, neste momento, é usar o bom senso.

Sim, é verdade que o chocolate é considerado alimento, uma vez que contém 1/3 de leite, 1/3 de açúcar e 1/3 de cacau, o que equivale a proteína, energia e gordura. Constitui-se numa fonte de potássio, cálcio, magnésio, vitaminas do complexo B, além de auxiliar pessoas com fadigas físicas e mentais.

Por outro lado, o chocolate é, sem dúvida, um dos alimentos que mais engordam. É fácil entender porque tanta gente ganha peso durante os feriados da Semana Santa. Se já sabemos que uma criança em cada quatro precisa perder peso, não podemos manter a tradição de presentear a todos com os hipercalóricos ovos de Páscoa. Lembre-se que mesmo os chocolates dietéticos são muito ricos em calorias. Se é seu filho quem precisa perder peso, previna antecipadamente os avós, padrinhos e tios de que qualquer presente será mais bem-vindo do que os chocolates.

Se, apesar de tudo, você continuar achando que o chocolate é insubstituível, a tabela de calorias dos chocolates vai ajudá-la a escolher um que seja menos calórico. Não se esqueça de que os teores calóricos estão calculados para 100 gramas. Os ovos de Páscoa são numerados de acordo com o peso. Com uma conta simples você poderá calcular a quantidade total de calorias do ovo que está comprando ou ganhando:

Tipo de chocolate
Calorias por 100 gramas
(valores aproximados; podem variar de acordo com a fórmula de cada produto)
Amargo
544
Ao leite
568
Branco (tipo Galak)
530
Com castanhas
534
Crocante (tipo Diamante Negro)
515
Dietético
540

E vale lembrar que não se deve oferecer chocolate para bebês com menos de seis meses. E mesmo os maiores não devem comer exageradamente, principalmente se não estiverem acostumados.
publicidade
publicidade