Alimentos ultraprocessados: o que são e como afetam a saúde da criança

Eles estão em toda parte, por isso é preciso aprender a reconhecê-los para que você faça melhores escolhas para você e seu filho

publicidade

As Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNTs) associadas à alimentação inadequada têm aumentado em todo o mundo. Entre estas doenças estão obesidade, diabetes, hipertensão, dislipidemias.

Dados do Vigitel 2014 (Inquérito que avalia fatores de risco para doenças crônicas) revelam que no Brasil temos uma prevalência de 50,% de pessoas com sobrepeso, 17.5% de obesidade, 6.9% de diabetes e 24,1% de hipertensão. Estes números são, em grande parte, provocados pelo enfraquecimento dos padrões alimentares tradicionais, baseados em alimentos in natura ou minimamente processados e pelo consumo exacerbado de alimentos ultraprocessados.

Classificação dos alimentos segundo o processamento industrial:

  • Alimentos in natura ou minimamente processados (alimentos que não tenham sofrido alterações industriais após deixarem a natureza ou que sofreram alterações mínimas, tais como: limpeza, remoção de partes não comestíveis, refrigeração).
  • Ingredientes culinários (alimentos fabricados pela indústria a partir de extração do alimento in natura ou ingredientes presente na natureza, tais como: óleos vegetais, gorduras sal e açúcar com finalidade de temperar alimentos in natura e nunca consumidos isoladamente). Neste grupo, quanto menos processado /refinado, melhor será.
  • Alimentos processados – alimentos feitos essencialmente com a adição de sal, açúcar, óleo ou vinagre a um alimento in natura para aumentar seu tempo de conservação. São exemplos, as conservas de legumes, peixes, cereais, leguminosas, frutas em caldas, carnes salgadas, queijos, pães.
  • Alimentos ultraprocessados – alimentos que passaram por técnicas e processamentos com alta quantidade de sal, açúcar, gorduras, realçadores de sabor e texturizantes. Estes alimentos possuem um perfil nutricional danoso à saúde. Por serem hiperpalatáveis, ou seja, acentuam muito sua palatabilidade ou aceitação pelo paladar da maioria da população, danificam os processos que sinalizam o apetite e a saciedade e provocam o consumo excessivo e “desapercebido” de calorias, sal, açúcar, etc.

Importa lembrar que os alimentos ultraprocessados também são pobres em micronutrientes (vitaminas,sais minerais, água e fibras), o que impacta negativamente favorecendo o desenvolvimento das DCNTs. Portanto, não seria exagero de minha parte dizer que estes produtos nem mesmo podem ser considerados como alimentos.

Corredor de prateleiras de um supermercado - foto: 1000 Words/ShutterStock.com1000 Words / Shutterstock.com

Exemplos de alimentos  ultraprocessados:

Enlatados, embutidos, congelados, preparações instantâneas, refrigerantes, salgadinhos, frituras, doces, gelatinas industrializadas, refrescos em pó, temperos prontos, margarinas, iogurtes industrializados, queijinhos petit suisse, macarrão instantâneo, sorvetes, biscoitos recheados, achocolatados e outras guloseimas.

Principais distúrbios de saúde que podem ocasionar:

Estes alimentos não devem ser oferecidos às crianças e devem ser rigorosamente evitados pelos adultos por:

  • Prejudicarem mecanismos que indicam a fome e a saciedade;
  • Favorecerem o acúmulo de gordura;
  • Favorecem desenvolvimento de alergias e intolerâncias alimentares;
  • Prejudicarem o funcionamento dos rins;
  • Sobrecarregarem o funcionamento hepático;
  • Causam distúrbios estomacais e intestinais;
  • Favorecem o desenvolvimento de diabetes, hipertensão, obesidade e diversos tipos de canceres;
  • A desnutrição, assim como a anemia por baixa ingestão de nutrientes como vitaminas e minerais é uma das doenças mais frequentes para quem consome este tipo de alimento. Muitas vezes a criança tem uma boa ingestão de ferro em determinada refeição e logo após consome um alimento ultraprocessado que prejudica a absorção deste nutriente.

O que fazer para proteger as crianças desses males?

Converse com a criança explicando sobre os malefícios destes alimentos e nenhum benefício a sua saúde, sempre explicando a necessidade da mesma crescer e desenvolver-se com saúde para obter um desenvolvimento pleno.

Evitar que a criança fique muito tempo exposta à programas televisivos, pois nos intervalos dos programas infantis é comum a veiculação de publicidade de alimentos destinados ao público infantil. Além disso, quanto mais horas a criança fica exposta à TV ou jogos eletrônicos, menos atividade física ela terá e assim aumenta o risco de desenvolver DCNTs.

E o mais importante de todos: dar bons exemplos. A criança aprende muito mais pelo exemplo que os pais/cuidadores dão do que com o que eles falam. Aplique-se em obter bons hábitos alimentares, procure refletir sobre aquisição de alimentos ultraprocessados e ao ir à feira faça as seguintes perguntas para eleger os alimentos que farão parte de sua alimentação:

  1. Este alimento trará algum benefício a minha saúde e à saúde de meu filho?
  2. Este produto é mesmo um alimento ou trata-se de um ULTRAPROCESSADO?
  3. Este produto pode prejudicar minha saúde ou a saúde do meu filho? (está na lista dos excessivos em sal, açúcar ou gordura?)

publicidade
publicidade