Pesquisar

Fique atento com os ouvidos, o nariz e a garganta no Verão

Fonoaudióloga explica quais são as doenças mais comuns nessa época do ano que atacam os ouvidos, nariz e garganta das crianças

Chega o verão, uma das estações mais esperadas do ano e a primeira coisa que pensamos é um alívio do calor. A gente baixa a guarda e, então vamos para a piscina, praia e tomamos um monte de sorvetes. Aí vem as consequências de tudo isso.

A fonoaudióloga Raquel Luzardo, especialista em linguagem e atendimento infantil, explica quais são as doenças mais comuns nessa época do ano que atacam os ouvidos, nariz e garganta.

Ouvido

Caso a criança reclame de dor de ouvido, pode ser que ela esteja com otite externa – um processo inflamatório do ouvido. Esse é o tipo de otite mais comum nos meses quentes de verão, devido aos banhos de mar e piscina. A otite externa é uma inflamação da pele que reveste as paredes do conduto auditivo (orifício visível da orelha até cerca de 2 centímetros mais para dentro). Uma das causas mais comuns para essa inflamação é o excesso de água ou umidade acumulada. Outra causa costuma ser o mal hábito de se introduzir instrumentos de qualquer tipo para limpeza dos ouvidos.
cuidados com ouvido, nariz e garganta no Verão - Foto: SueliFajardo / pixabay.com
É hora de se proteger:
• É importante que o ouvido fique seco por dentro. O maior problema não é a água que entra nos ouvidos, mas a água que fica lá por um longo período, criando condições ideais para o desenvolvimento de bactérias ou fungos. Uma dica é secar as orelhas com um secador de cabelo.

• Não introduza nenhum instrumento para limpar ou coçar o interior dos ouvidos. Além do risco de lesionar a pele, a remoção do cerume deixa o canal desprotegido e mais propenso a se infectar quando em contato com a água.

• Tendo o diagnóstico de otite externa, não se deve praticar natação ou deixar cair água dentro do canal auditivo durante o tratamento. Em crianças pequenas, mesmo o banho deve ser dado com atenção. Pode ser indicado usar algum tampão auditivo ou um algodão para vedar o ouvido durante o banho.

Quanto ao nariz

As gripes e resfriados ocorrem especialmente pelo abuso do gelado e ventiladores ou ar condicionado. Nariz entupido podem acontecer, incomodando demais.

• A incidência de sinusites agudas aumenta muito também nesta época do ano, especialmente se o paciente não tratar logo os sintomas nasais.

• Piora de crises de rinite alérgica, especialmente se a pessoa vai para a casa da praia ou campo e encontra aquele ambiente bastante fechado e cheio de mofo e bolor. Então, começam as crises.

• O cloro da piscina pode ser prejudicial às vias respiratórias porque ele é um irritante da mucosa das vias respiratórias, capaz de sensibilizar o aparecimento de crises de rinite, bronquite, asma em pessoas suscetíveis e predispostas. O uso regular de piscinas tratadas com cloro e o contato prolongado aumentam em até três vezes as chances de crises respiratórias.

• Sangramentos nasais são mais comuns no verão, uma vez que os vasos sanguíneos dilatam com o calor, favorecendo a ruptura e o sangramento.

A garganta

• Amigdalites e faringites podem acontecer devido também ao abuso de gelado, com dores de garganta, febres e mal-estar intenso.

• E na praia, que tal comer um peixe? Muito cuidado com as espinhas de peixe, que podem fincar na garganta e levar a muita dor e desespero.

“Tomando alguns cuidados você pode curtir ainda mais o período mais divertido e quente do ano”, orienta a fonoaudióloga.