O que fazer com aqueles problemas de pele que se agravam no inverno?

publicidade

O inverno chegou e com ele o clima seco e mais ameno, que altera o aspecto da pele deixando-a mais ressecada e craquelada. Para manter o brilho, o turgor e a pele linda, com flexibilidade, elasticidade e prevenindo o envelhecimento é necessária uma dose extra de hidratação, mas a preocupação não pode ser somente com a beleza. O que fazer com aqueles problemas de pele que se agravam no inverno?

O que fazer com aqueles problemas de pele que se agravam no inverno?

De acordo com a Dra. Michele Haikal, dermatologista de São Paulo, é nesta época do ano que se intensificam alguns dos problemas mais comuns como, por exemplo, psoríase, dermatite atópica, rosácea e xerose cutânea. Mas o que são essas enfermidades e como evitar que a doença piore nesta época do ano? Confira as dicas da Dra. Michele e curta o friozinho.

- Psoríase: placas avermelhadas com escamas grossas nos joelhos, cotovelos e couro cabeludo, etc. (existe psoríase no corpo todo inclusive). Problema autoimune e crônico que se intensifica com fatores ambientais como o stress (alterações do cortisol) e o clima. Deve-se evitar ficar exposto ao frio, banhos quentes, pouca hidratação e a falta de exposição ao solar.

- Dermatite atópica (ou eczema atópico):  é uma alergia crônica, que causa coceiras e até lesões mais sérias. Podem formar crostas e soltar secreções. Piora no inverno porque as pessoas acometidas pela enfermidade já têm uma deficiência de barreira lipídica na pele, fator que se agrava com o tempo seco. O ideal é manter a pele hidratada com óleos ou cremes hidratantes, que não devem conter álcool, perfumes, fragrâncias, corantes ou outras substâncias químicas. Um umidificador em casa também pode ajudar. Evite banhos quentes e tecidos irritantes. 

- Rosácea: doença de pele comum, causada por micro vasos na superfície da pele que inflamam. Os sintomas envolvem áreas de flushing (vermelhidão e forte rubor) na pele, lesões granulomatosas, pápulas, pústulas, especialmente nas bochechas, nariz, testa e queixo. Com o tempo seco as micropartículas de poeira e poluição ficam em suspensão no ar e irritam mais esses micro vasos espalhando-os. Evite a ingestão de comidas condimentadas, a ingestão de álcool, bebidas muito quentes e cafeína. Aplique água termal, se possível gelada, de duas em duas horas e evite locais muito quentes.

- Xerose cutânea: pele excessivamente seca causada pela falta de água na cútis, que pode ser decorrente do envelhecimento (xerose senil) ou por doenças subjacentes como hipotireoidismo, ictiose e diabetes, tornando a pele áspera, grosseira ou descamativa. Use hidratantes para pele seca, evite banhos quentes e demorados, use sabonetes neutros ou de glicerinados e ingira bastante líquido.

- Dra. Michele Haikal é especialista em Medicina Integrativa e Ciências Nutricionais Associadas ao Exercício Físico - Formada em medicina pela Universidade do Vale do Sapucaí - Univás, em Minas Gerais. Cursou Dermatologia Clínica, Estética e Cirúrgica na Harvard Medical School, faculdade de medicina da Universidade Harvard, nos EUA. Também é membro titular do Colégio Ibero Latino-americano de Dermatologia e, atualmente, faz mestrado no curso Suplementação em Doenças Autoimunes do Colágeno do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar - Universidade do Porto/Portugal, além de ser palestrante nacional e internacional em congressos de medicina estética e medicina antienvelhecimento.

publicidade
publicidade
publicidade