AIDS: Evitando a transmissão ao bebê

publicidade

AIDS: Evitando a transmissão ao bebê na gravidez

Falar sobre a AIDS (HIV positivo) ainda é um tabu nos dias de hoje. Conhecer e ter orientações sobre essa doença é um meio de prevenir o contágio entre as pessoas e principalmente evitar que as mamães passem o vírus para seus filhos durante a gestação.

Há um aumento muito grande na quantidade de mulheres jovens, em idade reprodutiva, isto é, que podem engravidar, infectadas pelo HIV. No mundo, cerca de três mil mulheres se contaminam diariamente.

Mesmo que a AIDS não se manifeste na forma de sintomas, o vírus pode estar no nosso organismo quietinho, mas, que acabam contaminando outras pessoas por falta de prevenção do indivíduo infectado.

Evitando o contágio ao nenê - Para evitar a transmissão vertical, isto é, quando a mamãe contamina seu filho durante a gestação, parto ou amamentação, um coquetel de remédios que reduz a carga viral deve ser tomado desde o início da gravidez até o parto.

O bebê deve continuar recebendo remédios durante as seis primeiras semanas de vida. Quase a totalidade dos casos de HIV em crianças menores de 13 anos foi transmitido de mãe para filho durante a gravidez, parto ou amamentação.

O índice de transmissão vertical do HIV (durante a gestação, parto ou amamentação) de uma mamãe que se cuida desde o início da gravidez e não amamenta seu filho é menor de 5%.

Já as mulheres que não sabem que são portadoras do vírus HIV e levam a gravidez sem tomar a medicação e ainda amamentam seus filhos tem cerca de 40% de chances de transmitir o vírus para o seu bebê.

O maior índice de transmissão do vírus é no trabalho de parto e no parto, seguido pela infecção intra-útero (principalmente nas últimas semanas da gestação) e amamentação.

Portanto, mulheres que desejam engravidar devem realizar o teste para saber se é ou não positiva ao HIV.

Caso o teste for confirmado como reagente ao vírus, ou seja, a mulher apresente o vírus do HIV, a decisão de engravidar será dela. No Brasil, o aborto não é permitido nesses casos.

Mamães desprevenidas - A mamãe que já sabe que é HIV positiva e engravida sem querer deve continuar recebendo sua medicação durante toda a gestação e seu filho receber a medicação nas seis primeiras semanas de vida.

Já a mamãe que se contamina durante a gravidez deve começar a tomar o coquetel logo que descobre a doença e seu filho também tem que receber a medicação nas seis primeiras semanas de vida.

O médico irá orientar qual a melhor maneira das mulheres prevenirem a transmissão vertical. Existem mulheres que se sentem mal (náuseas e vômitos) no começo da gravidez, iniciando o tratamento com o coquetel um pouco mais tarde.

Dicas

Não sinta medo de fazer o teste para saber se é ou não HIV positivo, você e seu futuro bebê terão melhor qualidade de vida se receberem tratamentos adequados.

Faça sexo seguro e evite a infecção pelo HIV, mesmo que você confie muito no seu companheiro.

Tome a medicação corretamente conforme seu médico a instruiu, a transmissão do vírus para o seu bebê será mínima e reduzirá a sua carga viral.

publicidade
publicidade