Açúcar causa diabetes?

O açúcar não causa diabetes mas pode ser um dos agentes que contribuem para o seu surgimento.

publicidade

Embora todos já tenham ouvido falar sobre diabetes, ainda é falho para a maioria das pessoas o conhecimento real sobre o efeito negativo provocado pelo açúcar à saúde da criança. O consumo exagerado de açúcar na infância pode favorecer o surgimento da diabetes tipo 2, diagnosticada com maior frequência em crianças acima do peso.

O risco da diabetes tipo 2 (mais comum) é potencializado às crianças que, além de consumir muito doce, são sedentárias, que fazem pouca ou nenhuma atividade física e estão acima do peso.

O recomendável é que a criança consuma uma porção de açúcar por dia (algo como um doce pequeno), ou no máximo 6 colheres de chá por dia.

A questão primordial é “qual a frequência de atividades físicas de seu filho?”. O açúcar é imprescindível ao corpo, porque pode se transformar em energia. Quando falamos em açúcar não estamos falando apenas no açúcar comum refinado que temos em casa, mas nos diversos tipos em que ele se apresenta: no mel, nas frutas, nos pães, batatas, etc. Carboidratos são açúcares, então se um biscoito já pode ter uma quantidade razoável de açúcar imagine um biscoito doce recheado.

A ausência ou baixa frequência de exercícios físicos podem fazer com que esse açúcar se acumule no corpo em forma de gordura. Por isso são indicados esportes (qualquer um!) ou atividades recreativas na infância para que o açúcar seja “convertido” em energia.

“Qualquer esporte na infância é recomendável, menos a musculação. A obesidade está diretamente relacionada a diabetes tipo 2. É importante que a criança consuma fibras, que reduzem a absorção do açúcar. As fibras são encontradas nas frutas, verduras, legumes, cereais, aveia, pão integral e trigo integral”, aconselha a nutróloga Ana Luísa Vilela.

Criança sorrindo e segurando uma tábua com cupcakes - Foto: Jaimie Duplass / ShutterStock

Para que fique claro: o consumo excessivo de açúcar não determina se a pessoa desenvolverá o diabetes tipo 1. Já na diabetes tipo 2, o desenvolvimento tem mais a ver com um “conjunto de erros”, entre os quais maus hábitos alimentares, falta de exercícios e excesso de gordura no corpo. O açúcar seria um elemento que contribui para uma quantidade maior de gordura, esta sim a grande vilã.

Portanto, não dá para dizer que a tipo 2 se desenvolverá só comendo açúcar. Tanto que a Organização Mundial da Saúde, por meio da Federação Internacional de Diabetes, alerta para o crescimento alarmante de crianças obesas, entre outras coisas, pelo mau hábito alimentar e sedentarismo.

Mais do que o controle no açúcar, é preciso que os pais controlem os hábitos alimentares e físicos do pequeno.

O excesso de açúcar no corpo é transformado em gordura. O açúcar, assim como nos alimentos doces, também é encontrado em pães e massas.

Alguns possíveis sinais da diabetes tipo 1 (mais raro)

  • Perda acentuada de peso
  • Urina em excesso
  • Muita sede
  • Visão embaçada
  • Cansaço
  • Dificuldade de cicatrização
  • Fraqueza

Alguns possíveis sinais da diabetes tipo 2 (mais comum):

  • Aumento de peso da criança
  • Escuridão entre as dobrinhas do corpo (barriga, debaixo do braço, pescoço)
  • Dificuldade de cicatrização
  • Fraqueza

Pais que não cuidam da alimentação do filho – Os pais têm culpa pelo diagnóstico de sobrepeso em crianças. E a diabetes tipo 2 na infância está diretamente ligada ao sedentarismo e o sobrepeso. Pai e mãe são os responsáveis por monitorar e decidir a alimentação do filho.

Foi observado que na maioria dos casos de crianças com diabetes ou com potencial de desenvolver a doença, os pais se alimentam muito mal. É aquela coisa: não adianta o pai pedir para o filho comer fruta se os pais odeiam frutas ou sucos. A criança obviamente vai querer o doce, o refrigerante, a fritura...

Portanto, os pais estão incluídos no tratamento de reeducação alimentar feito por profissionais de saúde.

O que é diabetes - A diabetes é uma deficiência na produção de insulina no pâncreas. De uma forma mais resumida, a glicose de uma pessoa com diabetes não chega adequadamente à corrente sanguínea. Isso porque a glicose depende da insulina para entrar nas células e começar a produzir energia ao corpo. 

Mas a insulina de um diabético apresenta dificuldades nesse contato com a glicose. A produção insuficiente de insulina provoca aglomeração de glicose no sangue e urina. Em alguns casos, diabéticos necessitam de aplicação diária de insulina.

A diabetes é uma doença perigosíssima, que pode levar à morte caso não tratada adequadamente. A longo prazo, a doença causa perda de visão, derrame, infarto, hipertensão, impotência sexual, doenças pulmonares e insuficiência renal.

A prevenção é uma palavra-chave contra a diabetes. Uma vez que a pessoa passa a ter a doença, ela terá de fazer monitoramentos para o resto da vida e seguir alimentação com diversas restrições.

Especialistas da saúde usam uma medição chamada de percentil para avaliar se o indivíduo tem potencial para desenvolver a diabetes.

Açúcares mascavo, orgânico, frutose (o das frutas) e mel – De acordo com a nutróloga Ana Luisa Vilela, os açucares mascavo e orgânico também possuem alto índice glicêmico, assim como o refinado. Eles devem ser evitados.

“O açúcar orgânico passa por menos processo químico que o refinado, mas também tem alto índice glicêmico e não é aconselhável em excesso às crianças”, diz a nutróloga Ana Luísa Vilela.

O açúcar também é encontrado nas frutas (frutose). Mas a frutose não representa tanto perigo. Isso porque a frutose apresenta baixo índice glicêmico.

O mel também possui um alto índice glicêmico, pois o mel contém sacarose, e outros tipos de açúcar (glicose e frutose). Assim como os açúcares o mel deve ser consumido com moderação.

O açúcar oculto nos alimentos industrializados

Em praticamente todos os alimentos industrializados existe açúcar em suas receitas, mas podem ter nomes diferentes, como por exemplo, açúcar invertido, maltodextrina, xarope de milho, xarope de glucose, e geralmente qualquer outro tipo de xarope, frutose (que é o açúcar da própria fruta natural), lactose (que é o açúcar do leite e presente em todos os derivados do leite como queijos e iogurtes) e sacarose (que é o açúcar comum refinado que utilizamos em casa).

Portanto, fique atento aos rótulos, pois muitas vezes estamos consumindo açúcar sem saber.

O consumo ideal atual de 6 colheres de chá de açúcar diário deve ser a somatória de todos esses açúcares, ou seja, se você tomou um copo de leite, comeu uma fruta e um pão com manteiga, você já consumiu açúcares que estão em todos esses alimentos.

Uma dica importante ao ler os rótulos: na lista de ingredientes, quanto mais próximo do início o ingrediente estiver, maior é a sua quantidade na composição da receita. Por exemplo, se no rótulo você encontra algo como: 

Ingredientes: água gaseificada, açúcar, cafeína, extrato de noz de cola, etc.

Então podemos deduzir que a água é o ingrediente em maior quantidade do produto e logo em seguida vem o açúcar. Infelizmente não são informadas as quantidades em gramas ou volume, o que ajudaria bastante na decisão de compra.

Suco natural integral ou fruta in natura?

Atualmente a recomendação é que as frutas sejam consumidas in natura ou seja, ao invés de se preparar um suco natural de laranja, deve-se chupar a laranja e isso vale para qualquer fruta.

Preste atenção daqui para frente e ajude seus filhos a não fazerem parte do grupo de crianças obesas. Você estará evitando problemas de saúde e psicológicos no futuro.


publicidade
publicidade